Realizada em Vancouver, no Canadá, de 17 a 21 de setembro, a competição reuniu 45 veleiros de 11 países.

O Brasil se fez representar pela 1a vez com a tripulação representante do Rio Yacht Club (Sailing) formada por: Lars Grael (timoneiro); Torben Grael (tático); Renata Pellicano Grael; Marcus Temke e ainda Colin Gomm. Andrea Soffiatti Grael participou da Westerleigh Cup.

A tripulação brasileira competiu na categoria clássicos (21 barcos) no veleiro emprestado construído na Escócia em 1934 e projetado pelo lendário Sir Wiliam Fife, “Saskia II”.

Obtiveram a 3a colocação na Westerleigh Cup e na sequência o Bronze no Campeonato Mundial.

A competição foi vencida pelo veleiro “Bribón Gallant” comandado pelo Rei Juan Carlos de Borbón da Espanha. Na tripulação, os experientes Pedro Campos e o tático Ross MacDonald (genro do associado Roberto Pellicano). A Prata ficou com o 6 Metros local “Goose” do medalhista olímpico Erik Jespersen.

Na categoria modernos (24 barcos), a vitória ficou com o “Júnior” de Phillippe Durr da Suiça, a Prata com o moderníssimo “New Sweden” do Royal Vancouver Yacht Club e o Bronze com o “St. Francis IX” do velejador olímpico britânico Andy Beadsworth, representando o Royal Thames YC.

Na raia, grandes nomes da Vela Mundial como Dennis Conner; Ron Holland; Chris Dickson; Eric Doyle, dentre outros…

A classe 6 Metros, assim como as demais regras “métricas” (8M; 10M e 12M) é a mais antiga (1907) das classes existentes no mundo da Vela. Fez parte da programação olímpica desde os Jogos Olímpicos de 1912 (Estocolmo) até os Jogos de Roma (1960).

A classe viveu um período de certo declínio, até voltar à moda nos últimos anos.

O Brasil chegou a ter 6 veleiros desta classe, mas apenas 2 existem atualmente: “Aileen” (Prata nos Jogos Olímpicos de 1912) de Torben Grael e “Marga” (construído em 1933) de Lars Grael.

O próximo mundial será realizado em 2019 em Hanko na Finlândia.

Lars Grael

Mundial 6M 2