Na manhã do dia 27 de novembro, o Rio Yacht Club (conhecido como Sailing), clube centenário, pioneiro e tradicional da vela brasileira e recordista de medalhas olímpicas (é o clube de medalhistas como Torben, Lars, Martine Grael, Isabel Swan, Clínio de Freitas e Marcelo Ferreira), foi anfitrião de uma visita ilustre: uma bela e faceira capivara (veja as imagens). O clube localiza-se na Estrada Fróes, bairro de São Francisco e na Enseada de Jurujuba.

Capivara no Sailing 1 Capivara 3 Capivara 2

A presença do maior roedor não é uma novidade na nossa cidade. Existem registros de grupos de capivaras em alguns pontos, como na Ponta da Areia e na enseada de São Lourenço, nas imediações do pedágio da Ponte. O animal pode ter se desgarrado destes locais e se deslocado para a Enseada de Jurujuba.

Após a sua visita ao Sailing, o animal voltou para o mar e mais tarde, provavelmente o mesmo animal foi visto em Charitas por membros da Guarda Ambiental de Niterói, que pretendia capturar o animal para leva-lo novamente para próximo do seu habitat natural.

O importante é esclarecer que a capivara não é um animal agressivo, mas por ser um animal selvagem, não deve ser molestado ou agredido.

É sempre uma sensação de muito alívio e felicidade saber que a Baía de Guanabara está viva e ainda abriga uma fauna tão diversa. É um sopro de esperança ver que o sonho de vê-la despoluída e com o seu ecossistema restaurado é possível.

Que a nossa simpática visitante encontro o caminho para um lugar mais calmo, onde possa alimentar-se bem e viver em paz.

Viva a Baía de Guanabara!

Axel Grael

Texto original publicado em: Blog do AXEL GRAEL